Artigo

A luta para além da ansiedade

Escrito por Cibele Carvalho em 24 de Março de 2021
[A luta para além da ansiedade]

Em tempos pandêmicos é natural que algumas percepções que antes não eram vistas agora se tornam cada vez mais comuns. Mas é importante revelar alguns aspectos.

Costumo dizer que situações inquietantes sempre existiram. O que acontece hoje é que com toda essa necessidade de estarmos mais em casa, percebemos o quanto não conversamos com as pessoas de fato, a começar pela própria família.

Quando estou dialogando com alguns pacientes, pondero sempre a necessidade da conversa para além do consultório. O quanto é importante colocar e externar tudo aquilo que possa estar incomodando, mas devemos, é claro, levar em consideração que precisamos acima de tudo ter uma atitude: a de ouvir.

Sempre a necessidade de falar estará acima de qualquer outra atitude, justamente pela famosa palavrinha chamada ansiedade. E, antes de tudo, vamos entendê-la. Ansiedade é algo que precisamos para nos proteger. É ela que vai muitas vezes nos passar o sinal de alerta. Mas a partir do momento que isso acaba atingindo a vida funcional e social do ser humano, é necessário avaliar o que anda acontecendo e isso com o auxílio de um profissional.

De fato, existem alguns medicamentos que podem vir auxiliar no processo, mas somente um médico psiquiatra poderá avaliar a real necessidade dele. E o que dizer de uma psicoterapia? Algumas linhas de tratamento são bem interessantes. A psicanálise, foi fundada por Freud, traz um desses formatos. Sempre se baseando na origem do indivíduo, entendendo ele de fato em seus primórdios, desde enquanto ainda um bebê no ventre de sua mãe e analisando sua trajetória, seus traumas e formações internas com forte alimentação do mundo exterior, o psicanalista é capaz de entender a causa e, assim, direcionar ressignificações de forma muito mais precisas sem que o analisando entre em processos cíclicos de retornos que o machucava. Outro caminho é a hipnose clínica, muito indicada para tratar os mais diversos traumas, mas falarei dessa técnica em outro momento.

Fato é e sempre afirmo: nossa caminhada desde quando somos ainda muito pequenos é cercada de grupos sociais que irão nos conduzir a quem somos hoje e iremos estar carregando uma mochila na qual vamos colocando e guardando tudo e de tudo. O problema é quando crescemos, nos tornamos adultos e aí não temos mais como carregar nada pelo simples fato de ter um enorme rasgo nessa mochila. Podemos sim tentar arrumar, mas não ficará perfeito. Vamos aprender a olhar essa mochila e perceber o quanto tivemos uma longa jornada.

Assim vamos ressignificando pessoas e situações além de organizar pensamentos, sentimentos e sensações em que todo esse caldeirão de elementos se mistura e, dificilmente, se desagregam, mas se organizam.

Cibele Carvalho

Psicanalista 
Especialista em Neuropsicanálise 
Mestranda em Psicanálise pela Universidad Kennedy de Buenos Aires, Argentina
Professora da Rede UNIFTC
Auriculoterapeuta 
Hipnóloga Clínica

Compartilhe!